Estudo Dell EMC: só 5% das grandes empresas têm ambientes de TI preparados para a transformação digital dos negócios

  • 71% das empresas concordam que não serão competitivas sem a Transformação da TI, segundo o estudo da ESG, que consultou 1.000 companhias de grande porte ao redor do mundo, sendo 100 delas no Brasil
  • As organizações consideradas maduras têm 7 vezes mais probabilidade de reconhecer a TI como diferencial competitivo e como um centro de lucro
  • 96% das empresas mais maduras ultrapassaram as metas de receitas no ano passado e têm mais de o dobro de chances de atingir seus objetivos

Um estudo da empresa de análises e pesquisas ESG (Enterprise Strategy Group), patrocinado pela Dell EMC –  fornecedora que reúne a oferta mais abrangente e inovadora de soluções corporativas de TI da indústria – identificou que a maioria das grandes empresas (71%) concorda que para se manterem competitivas precisarão realizar uma Transformação da TI, com o objetivo de adaptar-se à digitalização dos negócios. Apesar disso, só 5% das organizações ao redor do mundo já estão preparadas para esse novo momento, por meio de infraestruturas, processos e metodologias adequados.

O estudo batizado de “Curva de Maturidade na Transformação da TI”, entrevistou 1.000 decisores de TI de empresas privadas e públicas, com mais de 1.000 funcionários em todo o mundo, sendo 100 deles no Brasil. As organizações consultadas foram segmentadas em quatro grandes grupos (Transformadas, Em Evolução, Emergentes e Legadas), de acordo com o estágio de maturidade na Transformação da TI.

Dell_curva_de _maturidade

O levantamento identificou que uma minoria (5%) das grandes corporações já se encaixa no perfil de ‘Transformadas’, que inclui as empresas mais maduras e que implementaram infraestruturas, processos e alinhamentos organizacionais adequados às necessidades da Transformação de TI. Por outro lado, 41% das empresas estão na fase de ‘Em Evolução’, na qual demonstram compromisso com essa transformação e têm alguns projetos de modernização das tecnologias do data center e nas metodologias de entrega da TI.

Ainda segundo o estudo, a maioria das organizações (42%) se encaixa no grupo de ‘Emergentes’, com alguns progressos rumo à Transformação de TI, mas com poucos projetos em andamento para modernização das tecnologias do data center. E, por fim, outros 12% das empresas se encaixam entre as ‘Legadas’, com pouquíssimo – ou nenhum – avanço nas questões relacionadas à Transformação de TI.

“Esse estudo confirma a percepção da Dell EMC de que a TI deve ter um papel cada vez mais relevante nesse momento de transformação digital dos negócios, que afeta empresas dos mais diversos setores e perfis”, afirma Giampaolo Michelucci, Presidente de Enterprise da Dell Brasil. “A Transformação Digital dos negócios já está em andamento e as empresas têm ciência disso. Mas a capacidade de as organizações se manterem competitivas nesse novo cenário passa pela modernização da infraestrutura e dos processos de TI, para responder e adaptar-se rapidamente às novas demandas do negócio, com inovações, prazos e custos adequados”, complementa.

Transformação da TI e os Resultados para o Negócio

Entre as empresas Transformadas, 85% acreditam que estão em uma posição forte ou muito forte para competir e serem bem-sucedidas no mercado nos próximos anos, contra uma média de 43% entre as organizações menos maduras (Legadas).

As organizações Transformadas também reportam avanços significativos – se comparado às demais – na capacidade de ajudar as empresas a criar produtos inovadores e em um menor prazo, automatizar processos e tarefas manuais e permitir que a TI seja encarada como um centro de lucro, em vez de um centro de custos.

Seguem abaixo alguns dos principais resultados entre as empresas Transformadas:

  • 96% excederam os objetivos de receita no último ano, o que representa um percentual mais de 2x maior do que as Legadas
  • As Transformadas são 8x mais propensas que as Legadas a avaliar um relacionamento altamente colaborativo entre a TI e o negócio
  • Fazem um ‘progresso excelente’ ao rodar a TI como um centro de lucros, em vez de um centro de custos (com um percentual 7x maior do que as Legadas)
  • São 7x mais propensas do que as menos maduras (Legadas) a ter uma TI enxergada como um diferencial competitivo para o negócio
  • Usam os recursos de TI para acelerar a inovação em produtos e o lançamento de novidades no mercado (com um percentual 6x maior do que as organizações menos maduras)

Tecnologias Transformadoras

De acordo com a ESG, a adoção de tecnologias modernas no data center, como sistemas de storage escaláveis e infraestrutura convergente e hiperconvergente, podem aumentar a agilidade e o tempo de respostas da TI, assim como as entregas e o desenvolvimento de aplicações.

O estudo “Curva de Maturidade na Transformação da TI” identificou que:

  • 54% de todas as empresas entrevistadas já usam infraestruturas convergentes ou hiperconvergentes para suportar as aplicações
  • 58% de todos os entrevistados já adotaram sistemas de armazenamento escaláveis
  • Cerca de metade das organizações começou a implementar, avaliar ou planejar a adoção de tecnologias definidas por software (data center definido por software) e enxergam a adoção desses sistemas em longo prazo
  • 65% dos respondentes fizeram um progresso ‘excelente’ ou ‘aceitável’ para oferecer ao usuário que está na ponta a capacidade de utilizar os recursos de TI como se os mesmos estivessem em uma cloud pública
  • 43% dos entrevistados fizeram uma adoção de princípios e melhores práticas de DevOps

Por fim, o levantamento aponta que a Transformação da TI tem levado a uma maior cooperação e um melhor relacionamento entre as áreas de TI e negócios. Como reflexo, 36% das corporações consultadas apontam que os resultados do departamento de Tecnologia são avaliados mensalmente pela Diretoria e pelos principais executivos da organização.

Além disso, em 39% das empresas que participaram da pesquisa, o principal executivo de TI reporta diretamente para o CEO.

Podcast 30 – Mercado para Técnicos e Consultores em Informática. Convidado: Gabriel Torres (Clube do Hardware)

No primeiro podcast do ano, meu amigo Luiz Felipe Ferreira e eu conversamos com o grande Gabriel Torres, editor do site Clube do Hardware e um dos mais respeitados profissional de TI no país, sobre o Mercado para Técnicos e Consultores de Informática.

Tenho certeza que este podcast será muito esclarecedor para todos vocês!

Ouçam e divulguem!

 

Consupneti – 1º Congresso Nacional Online 100%

Pessoal,

Semana que vem, de 18 a 24, será realizado o Consupneti, 1º Congresso Nacional Online de TI, com conteúdo gratuito e temas bem interessantes. As inscrições podem ser feitas aqui.

Participem! Eu também estarei aplicando uma palestra no Congresso. 

fundoAzul-todos

Mulheres X homens no mercado de TI

Segue interessante release sobre mercado de trabalho de TI e Certificações publicado pela Comptia. Agradeço à Eliane Carvalho da Carvalho Comunicação pelo envio da matéria.

Mulheres X homens no mercado de TI

 Embora a indústria de TI apresente grandes oportunidades profissionais, as mulheres ainda são mal representadas no setor.

São Paulo, 29 de julho de 2014. Para qualquer um que considere uma carreira em TI, caminhos e oportunidades de emprego são abundantes. No entanto, as mulheres só contam com 24% das ocupações. Para conhecer mais sobre esse cenário a CompTIA realizou 2nd  Annual IT Career Insights, estudo com foco principal na melhor compreensão da importância da certificação e que, como um subproduto do estudo, foram  encontradas algumas semelhanças entre  homens e mulheres profissionais, assim como muitas interessantes diferenças entre os dois.

Na verdade, o estudo confirma que significativamente mais homens (69%), profissionais de TI, tinham a certeza que queriam uma carreira na área de TI antes de começar sua vida profissional, em comparação com 62% das mulheres. Em geral, a maioria dos profissionais de TI está muito satisfeita com o seu trabalho, semelhante ao ano passado. Uma taxa de apenas 5% dos profissionais está muito insatisfeita com a posição atual. Curiosamente, as mulheres profissionais de TI relatam significativa maior satisfação com 41% muito satisfeitas versus 30% dos homens que estão altamente satisfeitos.

Algumas áreas relacionadas a empregos de TI onde mulheres relatam notavelmente avaliações superiores do que suas contrapartes masculinas:

  • 79% das mulheres profissionais de TI acreditam que seu trabalho lhes proporciona uma sensação de realização pessoal; contra 70% dos homens;
  • 73% das mulheres acreditam que seu trabalho faz bom uso de suas habilidades/talentos; maior do que os homens (65%);
  • 73% das mulheres dizem que seu empregador adequadamente apóia os seus esforços de desenvolvimento profissional; em comparação com 64% dos homens;
  • 72% das mulheres acreditam que seu trabalho proporciona-lhes a oportunidade de crescer e se desenvolver; em comparação com 61% dos homens;
  • 72% das mulheres dizem que têm os recursos e ferramentas necessárias para fazer o trabalho bem; mais elevadas do que os homens, em 68%;
  • 71% das mulheres acreditam que são devidamente reconhecidas por suas contribuições no trabalho; mais do que homens (61%);
  • 71% das mulheres estão satisfeitas com sua remuneração e benefícios; contra 60% dos homens.

Por outro lado, existem algumas áreas onde homens e mulheres se sentem da mesma forma, por exemplo:

  • 82% das mulheres profissionais de TI acreditam que desempenham um papel valioso na sua organização; praticamente o mesmo que 79% dos homens;
  • 70% das mulheres acreditam que irão desempenhar um papel valioso na sua organização, nos próximos 12 meses; Não é significativamente diferente dos homens (65%);
  • 31% das mulheres estão preocupadas com a falta de recursos para fazer o seu trabalho de forma eficaz; o mesmo que os homens (30%).

O nível de satisfação no trabalho é provavelmente o culminar de muitos elementos. Duas peças-chave na abordagem de satisfação dos empregados estão identificando: 1) o que têm os trabalhadores de preocupações, e 2) que recursos ou apoio iriam ajudá-los a realizar o seu trabalho mais eficiente ou eficaz.

Falta de recursos e tecnologia vem em primeiro lugar da lista de preocupações entre profissionais de TI em geral. Um pouco surpreendente, a mesma percentagem de mulheres como homens profissionais citam a falta de um “equilíbrio entre trabalho e vida” como uma preocupação (24% cada).

As preocupações profissionais expressam certamente os itens da lista de desejos. Quando perguntadas a considerar maneiras que ajudam a realizar seu trabalho mais eficaz ou eficiente, mais recursos para o desenvolvimento da formação profissional (55% das mulheres e 51% dos homens) e mais tempo para trabalhar com novas tecnologias surgem no top (58% das mulheres, significativamente mais do que os 51% dos homens). Além disso, muitos profissionais de TI querem trabalhar como autônomos, como uma forma de conseguir mais oportunidades de avanço de carreira (47% das mulheres e 40% dos homens).

Estes resultados implicam que os profissionais de TI querem assumir um papel ativo na gestão de suas carreiras, construir suas habilidades e ficar à frente de novas tecnologias.

Os resultados do estudo também sugerem que, enquanto muitas empresas ainda não investem em desenvolvimento profissional e treinamento, parece que fizeram algum progresso do ano passado pra cá. Pelo menos este parece ser o caso com os profissionais de TI. Ao estudar uma mistura de funcionários (por meio de todas as profissões, grupos etários, etc.) os dois primeiros itens indicam que os entrevistados aumentariam a satisfação com seu trabalho com mais apoio para o desenvolvimento da formação profissional e mais oportunidades de avanço de carreira.

A maioria dos profissionais de TI reconhecem a importância  do treinamento para suas funções de trabalho atual ou futura. Entre aqueles que começaram a sua carreira em TI, o plano da grande maioria (94%) é estudar pelo menos em uma área para melhorar suas habilidades de TI. Embora, consideravelmente mais homens (95%) têm planos para mais uma formação nos próximos dois anos contra 90% de mulheres. Mais da metade do total espera exercer atividades na área de segurança, e um quarto ou mais foca em redes/infra-estrutura, cloud computing, servidores, virtualização e suporte técnico.

Para quem quer começar ou avançar em uma carreira de TI, a certificação é certamente um veículo. De acordo com este estudo, quase 2/3 (66%) de profissionais de TI no geral sustentam que a certificação CompTIA  melhora o currículo. Melhorar as oportunidades de emprego é uma das principais razões que os levou a buscar  a certificação (69% das mulheres, mesmo que 65% dos homens).

As mulheres especialmente usam a certificação CompTIA para ajudar a crescer sua carreira e indicam ser recompensadas ou reconhecidas por se tornar certificada mais frequentemente do que homens:

  • 66% das mulheres profissionais de TI que detêm uma certificação CompTIA dizem que construir novas habilidades e desenvolvimento pessoal foram as principais razões que as levou obter a certificação; contra 54% dos homens;
  • 55% das mulheres que detêm uma certificação CompTIA dizem que o avanço profissional e o aumento de salários e benefícios foram as principais razões que as levou a obter a certificação, em comparação com apenas 42% dos homens;
  • 52% das mulheres que detêm uma certificação CompTIA dizem que a preparação para uma mudança de carreira ou de emprego é a principal razão que as levou a obter a certificação; contra apenas 43% dos homens;
  • 79% das mulheres acreditam que sua certificação CompTIA é valiosa, mais que 69% dos homens.

Todo profissional é beneficiado com o aumento de conhecimento para a progressão na carreira. Porém, no mercado de TI, o trabalhador deve permanecer à frente da curva no seu campo ou corre o risco de suas habilidades, tornarem-se obsoletas. Posteriormente, enquanto o desenvolvimento profissional pode ajudar a um empregado a subir a escada da carreira, também ajuda na segurança. Os empregadores que investem em esforços de desenvolvimento profissional de seus funcionários vão colher as recompensas.

O 2º estudo de anual que carreira Insights da CompTIA foi desenvolvido com 2.107 profissionais de TI em quatro países principais, incluindo o Canadá, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos. Os dados acima salientados foram recolhidos por meio de um levantamento quantitativo on-line, realizado em abril de 2014.

Visite Advancing Women in IT Community, ou Creating IT Futures Foundation.

Sobre a CompTIA

A CompTIA é a voz da indústria de TIC do mundo. Seus membros são as empresas que estão na vanguarda da inovação e os profissionais responsáveis por maximizar os benefícios que as organizações recebem por seus investimentos em tecnologia. A CompTIA é dedicada ao avanço do crescimento da indústria por meio de seus programas educacionais, pesquisa de mercado, eventos de networking, certificações profissionais e defesa de políticas públicas. Para mais informações, visite CompTIA online, Facebook, LinkedIn e Twitter.