Cavalo de Troia Magala lucra às custas de publicidade agressiva de pequenas empresas

Os pesquisadores da Kaspersky Lab descobriram uma nova botnet que lucra com a publicidade agressiva. Os criminosos infectam os computadores das vítimas com o cavalo de Troia do tipo Clicker Magala, que produz visualizações de anúncios falsos, e ganham até US$ 350 de cada máquina. As pequenas empresas são as que tem maior prejuízo, pois acabam fazendo negócios com anunciantes inescrupulosos sem perceber.

A publicidade contextual online é uma salvação para as pequenas empresas, que normalmente não têm outra forma de promover seus produtos e serviços e ganhar mais visibilidade diante de possíveis clientes. Para elas, a maneira mais simples de criar um canal de fornecimento e comunicação é comprando anúncios de empresas de publicidade legítimas. No entanto, se as agências não forem honestas, as pequenas empresas jogarão dinheiro fora, e os clientes simplesmente não verão o anúncio. É exatamente isso que acontece no caso da botnet Magala.

Seus criadores comprometem os computadores com o malware, que gera visualizações falsas e cliques em anúncios, colocando as máquinas em modo zumbi e fazendo o criador do malware lucrar. Depois de propagado, o Magala imita o clique do usuário em uma página específica, incrementando a contagem de cliques do anúncio. As principais vítimas são quem paga pelo anúncio; normalmente, pequenos empresários que fazem negócios com anunciantes fraudulentos.

O vetor de infecção do Magala é bastante simples: ele se propaga pelos computadores por meio de sites comprometidos e discretamente instala o adware necessário. Em seguida, o Magala entra em contato com o servidor remoto e solicita uma lista de pesquisas que precisam receber mais cliques. Usando essa lista, o programa começa a enviar consultas e clicar em cada um dos dez primeiros links dos resultados da pesquisa, com um intervalo de dez segundos entre os cliques.

KASPERSKY_MAGALA
Leia mais deste post

ESET alerta sobre e-mail falso com suposta compra  de músicas da Rihanna no iTunes

Empresa de segurança identificou novo ataque de phishing que utiliza a popularidade da cantora para afetar usuários da ferramenta da Apple

 A ESET, companhia líder na oferta de soluções para detecção proativa de ameaças, alerta usuários da ferramenta iTunes para novo golpe que está circulando por e-mail. Se trata de um ataque de phishing no qual os cibercriminosos estão utilizando uma suposta comunicação oficial da Apple para adquirir de forma fraudulenta informações pessoais e confidenciais das vítimas. Eles utilizam um nome famoso como da Rihanna, pois há uma grande probabilidade do usuário que recebeu o e-mail falso ter utilizado a ferramenta para ouvir ou comprar uma música da cantora.

“O phishing é um tipo de golpe muito comum. Neste caso, por exemplo, podemos identificar muitos pontos característicos como senso de urgência com a conta supostamente bloqueada, além de muitos erros ortográficos inclusive na URL e no nome do serviço, que está grafado com a letra i maiúscula” alerta Camillo Di Jorge, presidente da ESET no Brasil.

Abaixo imagens do falso e-mail:

ESETPHISHING01

Leia mais deste post

Entrevistamos Camillo Di Jorge, presidente da ESET Brasil

Olá pessoal,

hoje eu trago para vocês uma interessante entrevista com o Camillo Di Jorge, presidente da ESET Brasil, empresa fornecedora de soluções de segurança, como antivírus para PCs e servidores. O foco desta entrevista foi a fragilidade na proteção quanto à ameaças em ambientes domésticos e no mercado e micro e pequenas empresas.

CDR_9223

Quais são as recomendações efetivas para o usuário final com relação à prevenção de malwares?

Camillo: É aconselhável que o usuário final trabalhe em três pilares:

* Acompanhar publicações sobre o tema de segurança da informação, para estar bem informado sobre novos golpes e ameaças que surgem a cada dia

* Ter bom senso sempre que estiver se comunicando por meios eletrônicos. Muitos golpes e ameaças digitais valem-se de descuidos das vítimas como porta de entrada em seus dispositivos (o que chamamos de Engenharia Social)

* Ter uma boa solução de segurança instalada. Além de ser uma retaguarda do item anterior (i.e.: bom senso), protege de outras ameaças que se propagam sem depender de qualquer interação com o usuário (vide o WannaCry ou Petya)

Há uma enorme variedade de ameaças digitais, portanto é importante que o usuário entenda os três pilares como mutuamente complementares, ao invés de confiar apenas em um ou outro item.

Vivemos em uma realidade onde a oferta de tecnologia é imensa e grandes empresas possuem área de TI que podem auxiliar e fazer toda a preparação para o uso desses recursos, mas e no caso do usuário final seja em cunho pessoal/doméstico seja no de pequena empresa onde essa preparação é mínima ou inexistente? Como proceder?

Camillo: Essa é a realidade da maioria da população e também onde grande parte das ameaças cibernéticas estão concentradas. Nesse caso, o usuário deve procurar soluções de segurança que sejam simples de gerenciar, auto-explicativas e, acima de tudo, eficaz e eficiente.

A ESET oferece produtos totalmente adaptados ao público brasileiro, com interfaces em português, além de não pesar na máquina, porque o usuário só deve notar a presença da solução quando uma ameaça é combatida. Não há nada pior do que o usuário ter que desabilitar uma solução para poder utilizar suas aplicações, porque nesse caso, sim, estará muito exposto às ameaças.

Ainda considerando um ambiente doméstico. Vamos imaginar um cenário comum de uma residência onde temos pelo menos um computador, um notebook, um tablet, telefones celulares, televisão inteligentes, todos conectados à internet, acessando e compartilhando recursos. Quais as melhores práticas com relação à proteção contra malwares neste caso? Não seria uma complexidade muito grande para o usuário final? Existe a necessidade de se ter um técnico/consultor de confiança?

Camillo: Esse é um cenário cada vez mais comum e que tende a se tornar ainda mais complexo no futuro. É importante proteger cada um desses dispositivos, principalmente aqueles utilizados para navegar na internet.

Dependendo do número de dispositivos e do valor das informações acessas por eles, pode ser necessário medidas de segurança mais estruturais, como segregação de redes, por exemplo. Nesse caso, sim, seria aconselhavel contar com a assessoria de um técnico/consultor de confiança.

Tendo em vista cenários como esse, a ESET oferece soluções para PCs e dispositivos móveis que são compatíveis com diferentes sistemas operacionais.

Quais soluções a ESET oferece para este mercado doméstico e Micro, pequenas e médias empresas?

Camillo: A ESET oferece soluções para todos estes mercados de acordo com as necessidades de cada um.

Para o mercado doméstico, por exemplo, a empresa oferece a Solução de Segurança “Tudo em Um” que protege seus equipamentos, transações e as crianças com funções como Controle Pais e Controle Webcam e Roteador que impedem o aceso a sites impróprios e apresenta uma mensagem de alerta caso alguém tente acessar sua webcam além de revisar a segurança de sua rede e controlar quem está conectado à ela. Além de segurança contra ataques. (www.eset.com.br/purchase/residencial )

Já para micro empresas, há o ESET Home Office Security Pack com soluções para empresas com até 10 computadores como Antivírus, Controle de Acesso Web, Administração Remota, Controle de Dispositivos, Firewall (que filtra o tráfego de rede) e Antispam. (www.eset.com.br/purchase/empresarial ).

Há também o ESET Small Business Security Pack, para empresas com 15 a 50 computadores que inclui as funções Controle de Dispositivos, Administração remota e Proteção para servidores de e-mail além das funções da solução ESET Home Office Security Pack.

E para empresas que necessitam de ainda mais segurança há a ESET File Security, que oferece proteção para os dados que passam pelo servidor de arquivos da empresa. O produto utiliza o renomado motor de rastreamento ESET NOD32® em seu núcleo e combina detecção em alta velocidade, performance sem contratempos e estabilidade para garantir um nível sempre alto de segurança.

Para mais informações acesse: www.eset.com.br

Com relação especificamente à categoria de Malware Ransomware, quais as recomendações da ESET, pois muitos ainda pagam o resgate das informações e não as recebem. Como lidar com essa situação?

Camillo: Essa é uma preocupação que deve preceder a infecção. Depois que os arquivos já foram comprometidos, aconselhamos a não pagar, primeiramente porque não se sabe se efetivamente os dados serão recuperados, além disso, de tempos em tempos muitas são descobertas falhas em famílias de ransomware que permitem lançar software capazes de recuperar os dados gratuitamente e, por fim, porque isso gera maior incentivo ao cibercrime para continuar com esse tipo de ataque.

No entanto, para evitar passar por essa situação é importante ter um backup atualizado dos dados (que não esteja conectado à máquina, porque senão ele também sera criptografado), ter instalada uma boa solução de segurança, e se concentrar nos três pilares citados anteriormente. A ESET preparou uma página especialmente esse tema que possui maior detalhamento dessas informações: http://www.eset.com.br/kit-antiransomware

Eu espero que tenham gostado e deixem suas sugestões de temas e pessoas que na medida do possível eu vou procurar trazer mais entrevistas como esta para o blog,

Até a próxima!

Kaspersky Lab: ransomware móvel triplicou significamente no primeiro trimestre de 2017

Brasil e Venezuela estão entre os 10 países mais visados por Trojans cifradores a nível mundial

kasperskylabO pesadelo global – ransomware – não mostra nenhum sinal de desaceleração, uma vez que o volume dele para dispositivos móveis subiu mais de três vezes (3,5 vezes) durante os primeiros meses do ano, de acordo com o “Desenvolvimento de ameaças de computador no primeiro trimestre de 2017” da Kaspersky Lab. O ransomware que tem como alvo todos os dispositivos, sistemas e redes também continuou a crescer com o surgimento de 11 novas famílias de cifras trojans e 55.679 novas modificações no primeiro trimestre. Além disso, Brasil e Venezuela estão entre os 10 países atacados por trojans cifradores, com o ransomware XPAN sendo a ameaça mais difundida.

O número de arquivos detectados de ransomware móvel atingiu 218,625 durante o trimestre, em comparação com 61,832 no trimestre anterior; com a família Congur representando mais de 86%.

O ransomware Congur é basicamente um bloqueador que configura e restabelece o PIN do dispositivo (código de acesso) fornecendo direitos de administrador no dispositivo e algumas variantes do malware para que os cibercriminosos aproveitem esses direitos para instalar seu módulo na pasta do sistema – tornando quase impossível a remoção.

Apesar da popularidade do Congur, o Trojan-Ransom.AndroidOS.Fusob.h permaneceu o ransomware móvel mais amplamente usado, representando quase 45% de todos os usuários atacados por esta ameaça. Uma vez executado, o Trojan solicita privilégios de administrador, coleta informações sobre o dispositivo, incluindo coordenadas GPS e histórico de chamadas, e carrega os dados em um servidor mal-intencionado. Com base no que ele recebe, o servidor pode enviar de volta um comando para bloquear o dispositivo.

Os Estados Unidos tornaram-se o país mais afetado por ransomware móvel no primeiro trimestre, com a Svpeng a ameaça mais generalizada. Por sua vez, o Brasil e a Venezuela estão entre os 10 países mais afetados por ataques de Trojans cofrados. Importante, o Brasil ficou em segundo lugar (1,07%), embora ele nunca apareceu no top 10 países atacados por cifras. Isto é consistente com nossa observação do aumento no número de extorsões Trojans visando vítimas brasileiras. Um exemplo proeminente de tal tipo de malware foi Xpan, cuja análise foi publicada no ano passado.
KASPERSKY_GEOGRAFIA_RANSOMWARE

“O panorama de ameaças móveis para ransomware estava longe de ser calmo no primeiro trimestre. O ransomware que alveja dispositivos móveis subiu, com as famílias novas do ransomware e as modificações que continuam a proliferar. As pessoas precisam ter em mente que os atacantes podem – e cada vez mais – tentarem bloquear o acesso a seus dados não apenas em um PC, mas também em seu dispositivo móvel”, observa Roman Unuchek, analista sênior de malware da Kaspersky Lab. Leia mais deste post

Hajime está conquistando o mundo da Internet das Coisas e já comprometeu 300 mil dispositivos

Segundo pesquisa da Kaspersky Lab, as infecções vinham principalmente do Brasil, Vietnã e Taiwan

A Kaspersky Lab publicou os resultados de sua investigação sobre as atividades do Hajime – um misterioso malware em expansão que afeta a Internet das Coisas (IoT), criando uma enorme botnet peer-to-peer. A botnet está se ampliando muito, infectando vários dispositivos no mundo inteiro. Até o momento, a rede inclui quase 300 mil dispositivos comprometidos, prontos para trabalhar em conjunto executando as instruções do criador do malware sem conhecimento das vítimas. Porém, ainda não se conhece o objetivo real do Hajime. 

O Hajime, que significa ‘início’ em japonês, apresentou seus primeiros sinais de atividade em outubro de 2016. Desde então, tem evoluído, desenvolvendo novas técnicas de propagação. O malware está estabelecendo uma enorme botnet peer-to-peer – um grupo descentralizado de computadores que realiza ataques DDoS ou de spam discretamente.

No entanto, ele não inclui um código ou uma funcionalidade de ataque, somente um módulo de propagação. O Hajime, uma família de malwares avançados e ocultos, usa diversas técnicas – principalmente ataques de força bruta sobre senhas de dispositivos – para infectar os dispositivos e executar vários procedimentos de modo a se esconder da vítima afetada. Assim, o dispositivo torna-se parte de uma botnet.

O Hajime não ataca um tipo de dispositivo exclusivo, mas qualquer dispositivo conectado à Internet. No entanto, os autores do malware focam suas atividades em alguns dispositivos. Ao que se constatou, a maioria dos alvos é formada por gravadores de vídeo digital, seguidos de webcams e roteadores.

Porém, de acordo com os pesquisadores da Kaspersky Lab, o Hajime evita determinadas redes, como as da General Electric, da Hewlett-Packard, do serviço postal dos EUA, do Departamento de Defesa dos EUA e várias redes privadas.

No momento da pesquisa, as infecções vinham principalmente do Vietnã (mais de 20%), de Taiwan (quase 13%) e do Brasil (cerca de 9%).

“A questão mais intrigante sobre o Hajime é sua finalidade. Embora a botnet esteja crescendo cada vez mais, ainda não sabemos qual é seu objetivo. Não conseguimos observar seus rastros em nenhum tipo de ataque ou outra atividade maliciosa. Contudo, recomendamos que os proprietários de dispositivos da IoT alterem suas senhas de maneira a dificultar ataques de força bruta e, se possível, atualizem seu firmware”, declarou Konstantin Zykov, Pesquisador Sênior em Segurança da Kaspersky Lab.

KASPERSKY_HAJIME_I

Distribuição de infecções do Hajime por país

KASPERSKY_HAJIME_II.jpg

Distribuição de dispositivos infectados por país

No total, durante o período da pesquisa, a Kaspersky Lab descobriu pelo menos 297.499 dispositivos exclusivos que compartilhavam a configuração do Hajime.

Para saber mais sobre a botnet Hajime, leia a postagem do blog disponível em: https://securelist.com/blog/research/78160/hajime-the-mysterious-evolving-botnet/

ESET alerta sobre golpe virtual que usa falso e-mail sobre contas inativas do FGTS para roubar dados de brasileiros

Cibercriminosos aproveitam falhas em servidor para aplicar golpe, no qual os internautas são direcionados para um site falso

 A ESET – fornecedora de soluções para segurança da informação e pioneira em proteção proativa –  identificou um novo tipo de golpe que usa como chamariz a consulta a contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). Na ação, os cibercriminosos enviam um falso e-mail sugerindo que vítima consulte o saldo de sua conta inativa do FGTS por de um link, o qual na realidade direciona o internauta para um site voltado a roubar dados pessoais.

ESETFGTSI

Tela do site falso voltado a roubar dados pessoais dos internautas:

Entre as informações solicitadas para preenchimento no falso site do FGTS estão CPF, data de nascimento, Número de Identificação Social (NIS), credenciais de acesso ao sistema do governo, telefone, além de informações bancárias. O objetivo dos cibercriminosos é vender os dados pessoais, realizar fraudes ou mesmo direcionar outros ataques para levantar ainda mais informações das vítimas.

Para aplicar o golpe, os cibercriminosos usaram uma falha de segurança e incluíram scripts PHP no servidor. Dessa forma, quando a vítima acessa determinadas URLs especificas, consegue visualizar uma página de internet com conteúdo legítimo.

ESETFGTSII

“Esse caso é um exemplo de como um servidor, hospedando um conteúdo legítimo, teve suas vulnerabilidades exploradas e foi utilizado pelo cibercrime para a propagação de phishing. Isso vale de alerta para aqueles que administram servidores, principalmente, com conteúdos acessados pela Internet, para que atualizem seus sistemas e aplicações, apliquem sempre patch e os protejam antes da ocorrência de um incidente”, afirma Camillo Di Jorge, Presidente da ESET Brasil. “No caso dos usuários, vemos novamente como assuntos de temas amplamente noticiados são utilizados para realizar ciberataques. Cibercriminosos estão sempre explorando assuntos com maior probabilidade de conseguir cliques por parte das pessoas”, reforça o executivo.

Para evitar cair em golpes com esse, a ESET alerta sobre a importância de saber identificar uma ameaça digital, evitando clicar em e-mails desconhecidos, que solicitem informações pessoais ou a realização de downloads. Além disso, os internautas devem contar com soluções de segurança proativas instaladas e atualizadas em todos os equipamentos que acessam a internet.

Para mais informações, acesse: http://blogs.eset.com.br/laboratorio/2017/03/29/phishing-consulta-saldo-fgts/

Kaspersky Lab descobre como desbloquear arquivos criptografados pelas novas versões do ransomware CryptXXX

Olá pessoal,

compartilho com vocês o release que recebi a respeito de um anúncio importante da Kaspersky, principalmente para nós que atuamos como consultores em empresas e clientes finais. Vejam abaixo:

Após o lançamento de ferramentas de descriptografia para duas variações do ransomware CryptXXX, no primeiro semestre de 2016, a Kaspersky Lab libera um novo descriptografador de arquivos bloqueados pela mais recente versão do malware. Desde abril de 2016, esse programa malicioso foi capaz de infectar milhares de computadores em todo o mundo, e era impossível descriptografar integralmente os arquivos afetados por ele. Mas agora não é mais assim.

A ferramenta gratuita RannohDecryptor consegue descriptografar a maioria dos arquivos com extensão .crypt, .cryp1 e .crypz.

O CryptXXX representa uma das famílias de ransomware mais perigosas e distribuídas ativamente: os criminosos usaram os kits de exploits Angler e Neutrino por um longo período para infectar as vítimas com esse malware. Esses dois kits foram considerados dos mais eficientes em termos de infecção bem-sucedida dos alvos.

Desde abril de 2016, os produtos da Kaspersky Lab registraram ataques do CryptXXX contra pelo menos 80.000 usuários no mundo inteiro. Mais da metade deles estão localizados em apenas seis países: EUA, Rússia, Alemanha, Japão, Índia e Canadá.

kasperskyransomware
Porém, esses dados representam apenas os usuários protegidos pelas tecnologias de detecção da Kaspersky Lab. Infelizmente, o número total de usuários afetados é muito maior. Não se sabe o número exato, mas os especialistas da Kaspersky Lab estimam que pode haver centenas de milhares de usuários infectados.

Nossa recomendação regular para as vítimas de diferentes famílias de ransomware é: mesmo que não haja ainda uma ferramenta de descriptografia disponível para a versão do malware que criptografou seus arquivos, não pague o resgate para os criminosos. Salve os arquivos corrompidos e tenha paciência; há uma grande probabilidade de surgir uma ferramenta de descriptografia em breve. O caso do CryptXXX v.3 é uma demonstração disso. Vários especialistas em segurança do mundo todo trabalham incessantemente para conseguir ajudar as vítimas do ransomware. Mais cedo ou mais tarde, será encontrada uma solução para a grande maioria dos ransomware”, declara Anton Ivanov, especialista em segurança da Kaspersky Lab.

Saiba mais sobre ransomware em Securelist.com.

noransom

A ferramenta de descriptografia pode ser baixada no site da Kaspersky Lab e em Nomoreransom.org – o site da organização sem fins lucrativos lançado este ano pela National High Tech Crime Unit da polícia dos Países Baixos, o European Cybercrime Centre da Europol e duas empresas de segurança de computadores, a Kaspersky Lab e a Intel Security, com o objetivo de ajudar vítimas de ransomware a recuperar seus dados criptografados sem precisar remunerar os criminosos. A batalha internacional contra o ransomware continua avançando, com a entrada de mais de 30 novos parceiros dos setores público e privado no projeto No More Ransom.

Ataques de ransomware a empresas acontecem a cada 40 segundos; essa é a “História do Ano” de 2016 da Kaspersky Lab

Os ataques de ransomware voltados para empresas aumentaram três vezes em 2016. Ou seja, cresceu de um ataque a cada 2 minutos, em janeiro, para um ataque a cada 40 segundos, em outubro. Já o índice de ataques individuais aumentou de um a cada 20 segundos para um a cada 10 segundos. Com o surgimento de mais de 62 novas famílias de ransomware durante o ano, essa ameaça cresceu de modo tão contundente que a Kaspersky Lab declarou o ransomware seu principal tema de 2016.

kasperskylab
O relatório História do Ano faz parte do Boletim de Segurança anual da Kaspersky Lab, que analisa  ameaças e os dados mais importantes do ano, além de incluir previsões para o ano de 2017.

Entre outras coisas, 2016 revelou o interesse de criminosos por um modelo de negócios de ransomware (oferecido como serviço) para aqueles que não têm habilidades, recursos ou a intenção de desenvolver um próprio. Com esse sistema, criadores de código oferecem produtos maliciosos ‘sob demanda’, vendendo versões modificadas de maneira exclusiva aos clientes, que então as distribuem por meio de spam e sites comprometidos, pagando uma comissão para o criador – o principal beneficiário financeiro.

Aparentemente, o modelo de negócios clássico de ‘associado’ funciona com a mesma eficiência para o ransomware quanto para os outros tipos de malware. Muitas vezes, as vítimas pagam para os criminosos, o que gera um fluxo contínuo de dinheiro pelo sistema. Inevitavelmente, isso resulta no aparecimento praticamente diário de novos cryptors”, comentou Fedor Sinitsyn, analista sênior de malware da Kaspersky Lab.

A evolução do ransomware em 2016

Em 2016, o ransomware continuou atuando agressivamente no mundo todo, se tornando mais sofisticado e diversificado, além de ter fortalecido seu domínio sobre dados e dispositivos, indivíduos e empresas.

Leia mais deste post

Kaspersky Lab apresenta novas versões das principais soluções de segurança para o consumidor com recursos de proteção de dados aprimorados

Kaspersky Lab apresenta no Brasil as novas versões do Kaspersky Internet Security e Kaspersky Total Security, que proporcionam aos usuários mais oportunidades de gerenciar sua proteção na Internet e garantir a segurança de seus dados. O Kaspersky Internet Security e o Kaspersky Total Security são soluções de segurança desenvolvidas para toda a família. Eles protegem os usuários do Windows, Mac e Android contra malware, sites perigosos, rastreamento on-line, fraude e roubo de valores. 

Este ano, várias novas funções foram integradas aos produtos da Kaspersky Lab para Windows. Agora, os usuários podem evitar que seus dados sejam interceptados em conexões com a Internet desprotegidas, usando a Conexão Segura. Além disso, também podem corrigir possíveis “falhas” na segurança de seus dispositivos com as funções Software Updater (Atualizador de Software) e o Software Cleaner (Limpador de Software).

“Na Kaspersky Lab, acreditamos que a segurança de TI não trata apenas da eficiência de uma solução de segurança. Também consideramos o conhecimento cibernético do próprio usuário. As pessoas que conhecem melhor o mundo virtual agem com cuidado e atenção quando estão on-line, e também estão preparadas para usar os avanços tecnológicos mais recentes para proteger o que é mais importante para elas, incluindo informações pessoais, arquivos, a privacidade, os dispositivos ou a tranquilidade de toda a família. Estamos nos empenhando para que nossos usuários tenham essas possibilidades em cada nova versão de nossas soluções”, destaca Claudio Martinelli, diretor-executivo da Kaspersky Lab na América Latina.

Leia mais deste post